ArtigosEntenda como funciona a Terapia de Casal | Terapiando

22 de julho de 20130

A relação de casal não é estática, mas dinâmica no sentido em que ela tende a mudar e evoluir ao longo do tempo. Desde o primeiro encontro, por meio da formação do próprio casal, os sentimentos que unem os dois indivíduos estão em constante mudança. Inicialmente prevalece a atração física que pode rapidamente evoluir para o estado de estar apaixonado. Com o aprofundamento da compreensão mútua a relação entre os dois parceiros se torna mais estável e sólida, mas as emoções esmagadoras estão se tornando cada vez mais tênues. Este é o momento em que a parceria começa a ficar mais realista e objetiva, começando a ver as falhas ou defeitos, assim um vai se afastando do outro. A decepção das expectativas colocadas até agora sobre o parceiro, pode dar origem a dúvidas sobre a possibilidade de continuar um relacionamento que é diferente do que tinham imaginado.

Requisitos para uma relação duradoura

Em uma relação duradoura, há muitos eventos que o casal irá enfrentar, e o cruzamento destas experiências vai mudar muitas coisas e muito nas duas pessoas, independentemente do seu relacionamento. Essas mudanças, que nem sempre vão na mesma direção, podem empurrar o casal para uma crise profunda. Mais frequentemente, é nesta fase que requer a intervenção de um psicoterapeuta para realizar o processo de terapia de casal, que ajudará a manter o relacionamento. Obviamente, a psicoterapia casal não é apenas útil para casais com problemas de relacionamento sérios, portanto, já em uma fase crítica, mas pode ser desejável mesmo para casais com um bom convívio, a fim de melhorar a comunicação, evitar conflitos futuros, manter um relacionamento mais harmonioso, bem como para fortalecer seus vínculos e se conhecerem melhor.

Durante estes últimos anos, a terapia de casal tornou-se cada vez mais comum: muitas pessoas sentem-se paralisadas por uma série de problemas, que estão presentes dentro de seu relacionamento, não conseguindo encontrar uma solução eficaz. Muitas pessoas vivem relacionamentos insatisfatórios porque têm medo de entrar no jogo e ficar na miséria, em vez de tentar mudar as coisas com a terapia. Alguns casais, no entanto, têm consciência de seu próprio desconforto, o que lhes empurra a um pedido conjunto de ajuda.

A quem se destina a terapia de casal?

A terapia de casal, como o nome mesmo apresenta, aborda o casal: o foco é na relação e nas mudanças que podem ser feitas à mesma. O principal objetivo é superar as crises e recuperar o entendimento a cerca da relação para que possam viver uma relação renovada, mais construtiva e satisfatória. Tendo como objetivo ajudar os casais, heterossexuais ou homossexuais, a identificar e lidar com seus conflitos ou para a difícil decisão de separar após uma análise minuciosa dos prós e contras da relação. O caminho terapêutico permite:

• esclarecer as questões apresentadas e identificar alvos terapêuticos;

• identificar dificuldades no modo de interação do casal;

• adquirir novas formas de se relacionar consigo mesmo e com a outra pessoa para promover a mudança em prol do casal.

A terapia de casal é indicada para os seguintes casos:

• problemas de comunicação;

• infidelidade;

• divórcio e separação;

• abuso ou violência doméstica;

• desacordo sobre a criação dos filhos;

• diferenças culturais;

• dificuldades econômicas que afetam a relação;

• lutas de poder, conflitos e discussões frequentes;

• problemas sexuais e dependências emocionais;

• decepção e frustração, porque a relação não corresponde às expectativas iniciais;

• problemas de gestão e de modulação das emoções como raiva e ciúme.

Também as mudanças que marcam o ciclo evolutivo do sistema familiar podem ter um efeito desestabilizador significativo sobre o relacionamento do casal: casamento, nascimento de uma criança, a perda de emprego ou desemprego, as relações com as famílias de origem, aposentadoria, doença, luto, etc.

Os objetivos de uma psicoterapia de casal podem ser os seguintes:

• aumentar nos membros do casal a capacidade de comunicação eficaz;

• treinamento na resolução de problemas;

• aquisição de uma maior consciência da maneira pela qual os padrões de pensamento, atitudes e modos subjetivos de pensamento afetam suas emoções e seu comportamento, ajudando a trazer mudanças nas crenças, atribuições e expectativas se provando ser contraproducente, irracional e destrutivo;

• aumentar o intercâmbio de comportamentos positivos;

• aumentar o nível de autoestima dos membros do casal;

• ajudar a adquirir e manter um melhor entendimento das emoções do parceiro;

• aprender a identificar, compreender e expressar melhor suas emoções, e gerenciá-las da maneira mais adequada.

O trabalho do terapeuta de casal tem como objetivo reconhecer a importância do sintoma de desconforto o contextualizando à luz do estágio do ciclo de vida em que ele se manifesta, as regras do relacionamento do casal, a história pessoal de seus membros e de suas famílias de origem. Através da relação terapêutica, o terapeuta introduz os elementos úteis para eliminar o desconforto, para mudar as regras rígidas e repetitivas que o casal colocou no lugar, para trazer a tona o equilíbrio precário em que está localizado no casal para um mais funcional, fazendo com que enxerguem os potenciais e negativismos dos parceiros.

Frequentemente acontece que um dos parceiros, antes de chegar a propor terapia de casal, tenha tentado resolver o seu desconforto através de um caminho individual, mas apesar desta experiência, pode ter produzido algumas formas de consciência da situação, mas não conseguiu resolver os problemas inerentes ao casal. Este fenômeno é explicado pelo fato de ser mais adequado trabalhar a relação do casal juntos ou na presença de um profissional.

Modos de operação da terapia de casal

A terapia de casal (presencial ou online) é estruturada em sessões que duram cerca de uma hora cada, podendo ser realizadas individualmente ou em joint ventures (com ambos os membros). As sessões podem ser semanais ou quinzenais, dependendo da situação e do grau dos conflitos. Ele começa geralmente a partir da história do casal, para entender melhor quais são as mudanças que criaram instabilidade, conflitos e queixas. Após uma avaliação inicial do caso, o terapeuta propõe se necessário, o tratamento indicando a forma, o investimento e o tempo necessário.

Durante a primeira sessão o casal conta suas histórias, as razões que o levaram a recorrer a um especialista e as expectativas de cada um em relação à terapia. Após as duas / três primeiras sessões de diagnóstico, que servem para o terapeuta compreender o modo de funcionamento do casal e para explicar como a terapia pode ser útil. No final de cada sessão, o terapeuta pode dar a sua visão sobre o que foi ouvido e, se for o caso, atribui ao casal uma lição de casa, como viver juntos experiências que podem fortalecer a cumplicidade.

A duração do tratamento pode ser amplamente variável e dependendo dos problemas individuais e específicos, e da intensidade dos conflitos vividos. Durante a terapia, analisamos os conflitos, a fim de obter uma maior compreensão de sua natureza, aprendemos a resolver problemas e discutir as diferenças de formas racionais e lógicas para reconhecer quais são as ideias e crenças irracionais ou errôneas de mudança, ao detectar tais comportamentos podemos modificar cada membro, aprendendo como fazê-lo, para ouvir e melhorar a dinâmica comunicacional, compreender e aceitar uns aos outros, de modo a aceitar as diferenças entre as pessoas.

Para a eficácia, ambos devem estar motivados a realizar este trabalho em si mesmos e em seu relacionamento. Quando você entra em psicoterapia com pouca motivação e apenas para que ninguém possa reclamar que não foi feito o suficiente, então a eficácia da psicoterapia será comprometida. Seria desejável não esperar o último momento – quando a crise chegou a um ponto de ser percebido pelo casal como intratável e incurável – para iniciar uma psicoterapia, até porque é necessário um tempo razoável para que possa gerar as mudanças necessárias.

Para que o processo terapêutico seja bem sucedida é fundamental a criação de uma aliança terapêutica entre o casal, que também vai estabelecer uma boa aliança terapêutica entre pacientes e especialista, com base no respeito mútuo, empatia, cordialidade e flexibilidade.

A relação com o terapeuta começa imediatamente através da empatia. É natural que o primeiro contato com o psicoterapeuta será crucial para entender este aspecto, que irá determinar o nível de confiança e comunicação seguinte.

Comunicar-se com o terapeuta de forma eficaz, satisfatória e com espontaneidade, é uma forma de se sentir “compreendido” e “reconhecido”. É um processo que precisa de tempo, é a construção de uma  relação.

Psicoterapia, especialmente no início, pode desencadear sentimentos negativos para com o terapeuta, o podendo assim levar você a pensar que a psicoterapia não é um caminho certo, parece que aumenta a negatividade em uma pessoa que quer se livrar dele.

Não confunda os sentimentos negativos em relação ao terapeuta com julgamento pessoal sobre a eficácia do trabalho que está sendo desenvolvido com o terapeuta. E não deve ceder ao desejo de abandonar a psicoterapia, por causa dos pontos que se destacam desagradáveis ou agradáveis na psicoterapia, já que normalmente a consciência desses pontos pode “ferir”.

Certamente, é inútil insistir em continuar a psicoterapia se você realmente não pode se comunicar com o terapeuta, mas isso não deve ser uma desculpa para desistir facilmente, porque a psicoterapia é difícil e cansativa, especialmente no início.

5/5 - (1 vote)

Alexandre Pifer

Psicólogo (crp 07/21909), Hipnólogo e Psicoterapeuta Sexual. Alexandre é de descendência italiana e natural de Venâncio Aires, Rio Grande do Sul, onde cresceu e reside até hoje. Seus conhecimentos transcendem a Psicologia, chegando a Hipnose, Programação Neurolinguística e outras formas de terapia de Alto Desempenho. Em seu trabalho com a Neurociência, desenvolveu o método Reprogramação Mental Online, tratamento de grande sucesso e diferencial no mercado, aplicado hoje pelos terapeutas da Terapiando. Atualmente mantém outros projetos e pesquisas junto ao campo da Neurociência e Psicoterapias. Atua desde 2013 com terapias virtuais.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

logo Terapiando

Visite-nos nas Redes Sociais:

logo Terapiando

Visite-nos nas Redes Sociais:

A Terapiando

A Terapiando iniciou suas atividades em 2013 com o pé em inovação, investindo em serviços pouco conhecidos no mercado como o Atendimento Psicológico Domiciliar e o inovador Atendimento Online. É considerada uma precursora dos tratamentos virtuais no Brasil

Desde seu nascimento, investe pesado em tecnologias para proporcionar os melhores tratamentos do mercado. A Excelência é nossa peça chave. Atualmente contamos com as mais modernas tecnologias de tratamento psicológico disponíveis no mercado, além das desenvolvidas por nós.

Receba nossa Newsletter

    © 2019 Terapiando, All Rights Reserved.

    © 2019 Terapiando, All Rights Reserved.

    5/5 - (1 vote)