ArtigosBaixo desejo sexual masculino e feminino: Causas e Tratamentos | Terapiando

17 de maio de 20190

As pessoas normalmente diferem no grau de apetite sexual que elas têm. Não existindo um padrão único, se diferindo não apenas de pessoa para pessoa, mas também para a mesma pessoa ao longo da vida.

Uma das queixas sexuais mais comuns entre casais é uma disparidade no desejo sexual. Ele pode diminuir por uma variedade de razões, muitas delas psicológicas e interpessoais. Mas isso não significa necessariamente que seja uma desordem. Torna-se uma condição diagnosticável apenas quando diminui a qualidade de vida e cria angústia, ou surge uma disparidade nos impulsos sexuais dos parceiros, evoluindo para um problema no relacionamento. Podendo resultar dos problemas da relação e também causá-los.

Além disso, o que constitui “baixo” desejo sexual ou desejo hipoativo, é muito relativo. O grau de desejo experimentado no início de um relacionamento é diferente a longo prazo, quando passou toda aquela fase de apaixonamento. Além disso, uma pessoa que experimenta um baixo desejo que é problemático em relação a um determinado parceiro, pode não experimentar qualquer disparidade com outro parceiro.

O desejo sexual e a capacidade de resposta normalmente diferem entre homens e mulheres, e suposições sobre a equivalência sexual podem sugerir falsamente a existência do transtorno do desejo hipoativo. Os homens são mais prontamente estimulados fisiologicamente que as mulheres e, para eles, o desejo está fortemente ligado a essa excitação.

Entre as mulheres, o desejo sexual é tipicamente mais psicológico e situacional, influenciado pela forma como se sentem em relação aos seus corpos, bem como pela qualidade do relacionamento. Além disso, as mulheres muitas vezes não sentem desejo até que sejam despertadas genitalmente, e a excitação pode exigir um período prolongado de preliminares.

 

O que conta como baixo desejo sexual?

Quanto sexo – e desejo por sexo – é “saudável” depende do indivíduo. Níveis de desejo sexual podem mudar por várias razões, e o fato de o desejo diminuir não necessariamente causa angústia, pelo menos em grande parte das pessoas. Como classificar os problemas relacionados ao baixo desejo sexual e se abordagens psicológicas ou de tratamento médico específicas são eficazes para aliviar esses problemas são assuntos de debate contínuo entre clínicos e cientistas. Grande parte da conversa gira em torno de como o funcionamento do desejo e da excitação tendem a diferir entre homens e mulheres.

Essencialmente, seja homem ou mulher, a falta de atividade ou interesse sexual é patológica quando:

  • O desinteresse sexual dura seis meses ou mais.
  • O desinteresse sexual causa sofrimento significativo ao indivíduo – estresse, ansiedade, depressão, medo, etc.
  • O desinteresse sexual não é atribuível a um fator externo, como abuso de substâncias, efeitos colaterais de medicamentos, uma condição médica ou trauma de relacionamento grave (como ocorre com a violência doméstica, por exemplo).

Não há um número específico de encontros sexuais considerada mínima, nem que indique que a pessoa está sem sexo. Nem deveria ter, porque a frequência sexual é uma preferência individual. Uma pessoa pode fazer sexo duas ou três vezes por semana, que é a frequência normal em uma relação estável, e sentir que não está recebendo o suficiente, enquanto outra pessoa pode fazer sexo uma vez e sentir que isso é mais do que suficiente. Entretanto, nenhuma das pessoas deve ser patologizada por essa diferença.

De qualquer forma – muito sexo ou muito pouco – não há necessidade de pânico. Sim, você pode estar fazendo sexo com muito mais frequência do que pensa ser normal (ou que quer que seja), mas isso não o torna hipersexual, nem se raramente faz sexo (ou não o faz) significa que necessita de tratamento psicoterapêutico. Se qualquer um desses extremos está lhe causando sofrimento significativo, é claro, e se ouvir os fatos sobre a frequência sexual (como eles são) não ajuda a aliviar sua aflição, você pode procurar assistência profissional. Por outro lado, se a simples percepção de que você é provavelmente mais “normal” do que você pensava diminui seu estresse e ansiedade, então você deve proceder de acordo.

 

Sintomas de baixo desejo sexual

A perda do desejo sexual geralmente pode ser manifestar pela falta interna ou externa de resposta a estímulos sexuais,  como por exemplo às propostas do parceiro, estímulos visuais do dia a dia, contato com algum tipo de pornografia pelos meios virtuais, dentre tantos outros. Os sintomas de baixo desejo sexual podem incluir:

  • distúrbio da excitação sexual
  • disfunção erétil
  • ansiedade inibindo o desempenho sexual
  • baixo nível de interesse sexual
  • falta recorrente de desejo
  • ausência de fantasias sexuais

Causas

As causas físicas são muito pouco comuns, tanto em jovens quanto em pessoas de meia idade. Na maioria das vezes, as causas do baixo desejo sexual não serão reveladas por exames médicos ou laboratoriais.

A maior causa psicológica do desejo sexual hipoativo costuma ser a depressão, a fadiga e/ou exaustão mental, um estilo de vida altamente estressante, o funcionamento mental acelerado, ansiedade sexual, dentre outras muitas. As pessoas que têm problemas de imagem corporal também podem apresentar disfuncionalidades sexuais.

Especialistas em relacionamentos relatam que o ressentimento é uma das principais causas da perda de libido, atingindo homens e mulheres. A raiva de um parceiro – por ser excessivamente crítica, por ser dominante demais ou passiva demais, por ignorar as necessidades do outro, por qualquer razão – pode diminuir o desejo.

Outras questões que implicam diretamente no desejo, o diminuindo, é o uso de drogas antidepressivas e outras como maconha e crack. Além do abuso sexual, seja ele na infância ou vida adulta..

 

Baixo desejo sexual em homens

Acredita-se agora que o desejo sexual é mais impulsionado biologicamente entre os homens do que entre as mulheres. É espontâneo e geralmente considerado o primeiro passo em direção a sentimentos e comportamentos íntimos. A perda do desejo sexual e a inibição sexual podem ser mais comuns entre as mulheres – mas esses problemas não são desconhecidos entre os homens.

Os homens, muitas vezes, experimentam diminuição do desejo sexual em resposta ao consumo pesado de álcool. Disfunção erétil, ansiedade de desempenho, condições médicas, medicamentos e estresse. Enquanto alguns médicos relatam que o uso excessivo de pornografia por homens leva à diminuição do desejo sexual dentro de um relacionamento, alguns estudos mostram efeitos positivos e negativos mistos da pornografia nos relacionamentos, enquanto outros não encontram nenhum impacto negativo.

LEIA: Disfunção Erétil Psicológica: Causas, Sintomas e Tratamentos.

LEIA: Vício em Pornografia: do prazer à depressão.

 

Baixo desejo sexual nas mulheres

O desejo sexual nas mulheres é mais complexo e mais frágil do que nos homens. Geralmente é mais variável, relacionada ao estado hormonal das mulheres, como elas se sentem em relação a si mesmas e seus parceiros, e outros eventos em suas vidas, para não falar do estilo e da técnica de fazer amor de um parceiro.

Mas os especialistas concordam que, em geral, o desejo sexual é menor entre as mulheres do que entre os homens, portanto, uma queda adicional no desejo feminino por qualquer motivo pode ser mais problemática nos relacionamentos. Como a sexualidade feminina é multifatorial, envolvendo várias combinações de fatores mentais, físicos e sociais, todos esses pontos devem ser abordados para que o tratamento seja efetivo.

Comumente a baixo desejo feminino é associado ao desgaste no relacionamento, estilo de vida estressante, depressão e/ou uso de antidepressivos, autoimagem, baixa autoestima, traumas e baixa exposição a conteúdos eróticos.

 

Os efeitos da idade na libido

As mudanças físicas que acompanham o envelhecimento não levam necessariamente ao declínio do desejo e da função sexual. O nível de atividade sexual mantido ao longo do tempo varia e depende de muitos fatores. Estes incluem saúde física e mental, interesse pessoal em atividades sexuais, conforto com a própria sexualidade e status de relacionamento íntimo.

Atualmente, é comum homens de 70 anos terem sua capacidade sexual normal, sem a necessidade de uso de medicação, desde que gozem de saúde física e mental.

 

Problemas com diminuição da libido, disfunção erétil e outras alterações relacionadas à idade são comuns, assim como efeitos colaterais de condições crônicas de saúde e alguns medicamentos comumente usados que afetam a função sexual. Atitudes e mitos culturais negativos também podem interferir na busca da satisfação da atividade sexual entre homens e mulheres mais velhos. Quando tratados adequadamente, a maioria desses problemas podem ser resolvidos com terapia sexuais bem feitas.

Como a maioria das mulheres na menopausa provavelmente poderia dizer, “a mudança” é muito mais do que apenas o que está acontecendo fisicamente. Para muitos, é uma época de mudanças significativas na vida – um tempo para decidir entre o que já era “bom o suficiente” e o que é absolutamente necessário para a segunda metade da vida. E isso vale também para o sexo. Embora no início da vida de uma mulher, o sexo possa ter sido sobre atrair ou agradar um parceiro, sem muito foco em si mesma, suas atitudes em relação ao sexo podem ser muito diferentes após a menopausa.

Aqui estão algumas das coisas que ouvi de meus clientes na menopausa sobre sexo na meia-idade:

  • “Dói.” Menopausa significa uma redução de hormônios que mantêm a vagina flexível e úmida. Esta queda nos hormônios também significa que o corpo não está solicitando sexo como costumava fazer. Mas uma mulher ainda precisa ter relações sexuais regulares para ajudar a manter a vulva em forma. O sexo não deve doer e obter ajuda antecipada evitará complicações. As mulheres devem consultar seu ginecologista sobre seus riscos e benefícios exclusivos para reposição hormonal que podem aliviar. O desejo é uma função complexa do que está acontecendo no corpo, mente e relacionamento, de modo que fisioterapeutas, terapeutas sexuais e conselheiros matrimoniais também podem ajudar. Com um pouco de apoio, os casais podem resolver problemas sexuais dolorosos e relacionais para terem uma intimidade alegre pelo resto de suas vidas.
  • “Para eu querer sexo, meu parceiro tem que me respeitar fora do quarto.” Para a maioria das mulheres, a qualidade de um relacionamento comprometido tem que ser boa para sentir o desejo sexual. Os casais muitas vezes precisam renegociar um pouco para avançar na menopausa.
  • “Depois dos 50 anos, o interesse é sexy.” Certamente, alguém que ouve bem, lembra o que pedimos e sintoniza em um momento sexual que cria um amante excitante. Mas a curiosidade sobre quem somos nesta idade, mesmo que nos conheceu metade das nossas vidas, é também um poderoso afrodisíaco. É um estímulo para ser perguntado sobre nossos pensamentos, opiniões, história e paixões. Por exemplo, mulheres na menopausa, divorciadas ou viúvas relatam um ressurgimento do desejo, à medida que seus novos parceiros as acham atraentes e fascinantes.
  • “Eu também quero o meu.” Felizmente, para muitas mulheres o orgasmo ainda é uma experiência poderosa na meia-idade. E além disso, eles podem apreciar o prazer da excitação, mesmo como um prazer sensual – como escovar os cabelos, acariciar, dar as mãos e se deitar juntos. Mais importante, na meia-idade, as mulheres geralmente não se desculpam por insistir em que a satisfação sexual é mútua.
  • “Parei de me preocupar com a minha aparência”. A menopausa dá às mulheres a oportunidade de abandonar suas inibições e autocríticas. Uma jovem de 70 anos disse: “Eu sempre amei sexo; é onde eu me sinto mais em casa.” Sua parceira estava tonta com o quão bonita ela tinha sido e ainda era. Qualquer imperfeição física foi ofuscada por sua incrível alegria na experiência.

 

terapia sexual online

 

Tratamentos

Na maioria das vezes, o melhor tratamento para o baixo desejo sexual em ambos os parceiros é a orientação psicológica sexual ou simplesmente terapia sexual, seja ela online ou presencial, de casal ou individual, para resolver conflitos, ressentimentos ocultos, lutas pelo poder ou outras barreiras interpessoais ao interesse erótico.

Como a depressão é uma causa frequente de diminuição do desejo em homens e mulheres, o tratamento da depressão é outro caminho importante para a resolução dos problemas do desejo. As terapias psicológicas, como a terapia cognitivo-comportamental, são mais eficazes que a farmacoterapia no alívio da depressão, como também não interferem na libido, como fazem muitas drogas psicoativas.

Não existe uma pílula mágica para restaurar o desejo sexual nas mulheres, nem é provável que haja. O caminho mais eficaz seja educar homens e mulheres sobre como as mulheres realmente ficam excitadas. Um tratamento do desejo hipoativo em mulheres que se mostra altamente eficaz utiliza a atenção plena para conectar as sensações corporais de excitação com a excitação psicológica.

Entre os homens, uma queda nos níveis de testosterona pode afetar profundamente o desejo sexual e, para alguns homens, o tratamento com testosterona pode ajudar a restaurar o desejo, entretanto, essa causa e solução é pouco comum e eficaz.

Em 99% dos homens até 30 anos que chegam ao consultório dos urologistas por perda de ereção, o problema é puramente psicológico.

 

[ratings]

Alexandre Pifer

Alexandre Pifer

Psicólogo (crp 07/21909), Hipnólogo e Psicoterapeuta Sexual. Alexandre é de descendência italiana e natural de Venâncio Aires, Rio Grande do Sul, onde cresceu e reside até hoje. Seus conhecimentos transcendem a Psicologia, chegando a Hipnose, Programação Neurolinguística e outras formas de terapia de Alto Desempenho. Em seu trabalho com a Neurociência, desenvolveu o método Reprogramação Mental Online, tratamento de grande sucesso e diferencial no mercado, aplicado hoje pelos terapeutas da Terapiando. Atualmente mantém outros projetos e pesquisas junto ao campo da Neurociência e Psicoterapias, na busca de tratamentos mais eficazes e humanos. Atua desde 2013 com serviços clínicos e gestão de pessoas pelo ambiente virtual.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

logo Terapiando

Visite-nos nas Redes Sociais:

logo Terapiando

Visite-nos nas Redes Sociais:

A Terapiando

A Terapiando iniciou suas atividades em 2013 com o pé em inovação, investindo em serviços pouco conhecidos no mercado como o Atendimento Psicológico Domiciliar e o inovador Atendimento Online. É considerada uma precursora dos tratamentos virtuais no Brasil

Desde seu nascimento, investe pesado em tecnologias para proporcionar os melhores tratamentos do mercado. A Excelência é nossa peça chave. Atualmente contamos com as mais modernas tecnologias de tratamento psicológico disponíveis no mercado, além das desenvolvidas por nós.

Receba nossa Newsletter

© 2019 Terapiando, All Rights Reserved.

© 2019 Terapiando, All Rights Reserved.